Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


‘O pulso firme do Estado e a força da lei deveriam ter prevalecido’
Julia Affonso e Luiz Vassallo
29.05.2018

Criminalista Daniel Bialski critica paralisação dos caminhoneiros e avalia que 'serviços essenciais e a liberdade de ir e vir não poderiam ficar à mercê de quem quer que seja'

A greve dos caminhoneiros pode ter consequências penais, na avaliação de advogados. Segundo Everton Moreira Seguro, especialista em Direito Penal do Peixoto & Cury Advogados, os caminhoneiros podem ser responsabilizados, com base nos artigos 261,262, 263 e 265, do Código Penal.

Tais artigos tratam de exposição a perigo de embarcação ou aeronave, própria ou alheia, com pena de 2 a 5 anos; exposição a perigo de transporte público, impedindo ou dificultando o funcionamento, com pena de detenção de 1 a 2 anos; lesão corporal ou morte, no caso de desastre ou sinistro; por fim, atentado contra a segurança ou o funcionamento de serviço de água, luz, força ou calor, ou qualquer outro de utilidade pública, com pena de reclusão de 1 a 5 anos e multa.

“Tudo depende de apuração para individualização da responsabilidade criminal de cada um”, considera Seguro.

Anna Julia Menezes, especialista em Direito Penal do Braga Nascimento e Zílio Advogados, diz que a intenção da lei é a de proteger a incolumidade pública, isto é, a integridade física ou a propriedade de um número indeterminado de pessoas, que possam se ver em perigo. “Em um movimento de tamanho alcance e repercussão, ainda que pareça legítimo, o controle das condutas praticadas é essencial”, ela diz.

Daniel Bialski, sócio do Bialski Advogados, diz que ‘mesmo considerando como válidas as reivindicações, não se pode conceber que vidas corram risco, como se viu, com bloqueio de estradas, hospitais sem material, farmácias sem remédios e polícia sem viatura’.

Na opinião do criminalista, ‘tais atos, guiados muito mais por interesses políticos, devem ser controlados e ter limites’.

Bialski entende que ‘a paralisação de serviços essenciais e o impedimento do exercício profissional e a liberdade de ir e vir não poderiam ficar à mercê de quem quer que seja’.

“O pulso firme do estado e a força da lei deveriam ter prevalecido.”

Eduardo Diamantino, sócio do Diamantino Advogados, ressalta que existirão regras de caráter tributário e de proteção à categoria.

“No plano legal, temos a MP 831 sobre a reserva de mercado dos fretes, a MP 832 sobre política de preços mínimos e a MP 833 sobre isenção de tarifa em eixo suspenso. A MP de redução da CIDE e do PIS Cofins ainda não foi publicada por ser necessário vincular a redução de alíquota a um estudo de impacto orçamentário e respectivas compensações”, assinala.

Segundo Diamantino, o benefício tributário será estendido a todos que usarem diesel como combustível.

“Assim, do caminhão de cargas aos luxuosos Land Rover, todos serão desonerados. Não há como individualizar”, diz.

“Quanto às demais medidas, de um protecionismo absurdo, em especial a que cria a reserva de fretes junto a Conab, não se coadunam com o artigo 170 da Constituição Federal, que consagra a livre iniciativa de mercado”, argumenta.

De acordo com Diamantino, ‘se inaugurou uma nova forma de pleitear a redução de carga tributária: a rebelião’.

“No passado, valia-se do Judiciário, depois dos planejamentos, na era Lula, dos lobbys espúrios e agora da algazarra. O tempo nos dirá qual é o método mais eficaz.”

 

 


Índice de notícias :: Agrário

Diamantino Silva Filho é nomeado presidente da Comissão de Direito Agrário de MGN
03.08.2011
Nomeado

Diamantino é nomeado presidente da Comissão de Direito Agrário de Minas
02.08.2011
Presidente

Invasores de imóveis estão excluídos do programa “Reforma Agrária”
27.07.2011

Quero Mais
12.07.2011

Entrevista - Especialista em Direito Agrário
10.07.2011

Entenda como funciona o processo de venda de terras agrícolas
30.06.2011

Restrições à compra de terras por estrangeiros podem comprometer agronegócio brasileiro, segundo estudo
19.04.2011

Restrições à compra de terras por estrangeiros podem comprometer agronegócio brasileiro, segundo estudo
18.04.2011
Levantamento concluiu que setor deixou de receber R$ 25 bilhões em investimentos devido ao parecer da Advocacia Geral da União

Aquisição de terras por estrangeiros
13.04.2011

As limitações e suas conseqüências de compra de terras brasileiras por estrangeiras
05.04.2011
O advogado Eduardo Diamantino fala sobre as limitações e suas conseqüências de compra de terras brasileiras por estrangeiras.


Mostrando 51 - 60 de 66
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites