Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


Tribunal mantém créditos sobre óleo diesel
Bárbara Mengardo
26.11.2012

Após analisar um caso da Cosan, a 2ª Câmara do Tribunal de Impostos e Taxas (TIT) de São Paulo julgou que são válidos os créditos de ICMS obtidos a partir do fornecimento de óleo diesel para máquinas de terceiros, mas que seriam usadas para a colheita de cana-de-açúcar destinada à própria empresa.

De acordo com o advogado da Cosan, Rogério Zaneta, do escritório Salusse Marangoni Advogados, a companhia possui parcerias com diversas empresas para fornecer o combustível para a colheita da cana. Posteriormente, as companhias vendem o insumo à Cosan.

O Fisco autuou a empresa por entender que o creditamento só seria devido se o maquinário fosse de autoria da própria Cosan. A maioria dos conselheiros, entretanto, seguiu o posicionamento do relator do caso, Sérgio Gonini Benicio, cancelando autuações contra a empresa que totalizavam R$ 3,5 milhões. O valor se refere aos créditos supostamente indevidos e a uma multa de 25%.

O juiz defendeu que a Portaria CAT nº 1, de 2001, que trata do crédito de ICMS na aquisição de insumos, não faz a diferenciação entre máquinas próprias ou de terceiros. "O óleo foi utilizado na produção da empresa. Nem a Constituição, nem o Regulamento do ICMS de São Paulo e nem a Portaria CAT restringem o uso desse crédito", afirma Zaneta.

O advogado diz que o escritório atua em aproximadamente dez processos administrativos nos quais a Cosan recorreu de autuações por suposta utilização indevida de créditos por fornecimento de óleo diesel. Zaneta afirma que as câmaras do TIT possuem entendimentos distintos sobre o tema e o escritório já recorreu à Câmara Superior. O processo, entretanto, ainda não foi julgado.

A 6ª Câmara do TIT também começou a julgar na quinta-feira um processo administrativo envolvendo a Cosan e o fornecimento de óleo diesel para máquinas que realizam a colheita da cana. O caso abarca autuações que somadas representam aproximadamente R$ 12,5 milhões. O julgamento, entretanto, foi suspenso por um pedido de vistas da juíza Rosana Ugolini Benatti.

Para o advogado Eduardo Diamantino, do Diamantino Advogados Associados, a decisão é um precedente importante. "O TIT entendeu que o óleo compõe o insumo final, e consequentemente a empresa tem que tomar o crédito", afirma.

Outra autuação presente no processo julgado pela 2ª Câmara, mantido pelos conselheiros, afastava a possibilidade de creditamento em casos de fretamento de ônibus destinados ao transporte de trabalhadores para a colheita da cana.

Segundo detalhes do processo, a Cosan fretava veículos para transportar funcionários que atuam na colheita e plantio da cana. Os ônibus também levavam os trabalhadores para realizar cursos. A empresa entendeu que o pagamento do frete gerava créditos de ICMS.

Apesar de o relator do caso ter entendido que as etapas agrícolas também integram a produção do açúcar, a maioria dos integrantes da Câmara defendeu que o transporte não estava relacionado à atividade fim da companhia, mantendo os autos de infração.


Índice de notícias :: Tributário

Definição do STJ sobre prescrição pode afetar 20 milhões de execuções fiscais
13.09.2018

Liminar derruba reoneração da folha; 36 setores seguirão o mesmo caminho
25.08.2018

A RECEITA FEDERAL ABRIU O PRAZO PARA CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS NO PERT
06.08.2018

Especialistas discutem tributação em agronegócios em SP
14.06.2018

Especialistas discutem tributação em agronegócios em SP
14.06.2018

Prazo para adesão ao parcelamento do Funrural é prorrogado até 30 de outubro
30.05.2018

STF rejeita recursos contra cobrança do FUNRURAL
23.05.2018

STF julga na próxima quarta recursos contra a cobrança do Funrural
18.05.2018

Governo edita medida provisória e prorroga prazo para adesão ao Refis do Funrural
27.04.2018

Entenda melhor a cobrança do Refis do Funrural
26.04.2018


Mostrando 1 - 10 de 162
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites