Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 

Contribuição de Empregador Rural Pessoa Física ao Funrural é Constitucional
Diamantino Advogados Associados
30.03.2017

O Plenário do Supremo Tribunal Federal, a partir do julgamento do Recurso Extraordinário n° 718874, na sessão desta quinta-feira (30), decidiu que é constitucional a cobrança da contribuição do empregador rural pessoa física ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

A decisão foi tomada com repercussão geral reconhecida, em face de recurso ajuizado pela União contra decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que afastou a incidência da contribuição.

Apesar do voto do relator, Edson Fachin, ter sido por negar o provimento, a divergência iniciada pelo Ministro Alexandre de Moraes prevaleceu. O Ministro argumentou que a Lei 10.256/2001 é posterior à Emenda Constitucional 20/1998 e foi suficientemente clara ao alterar o caput do artigo 25 da Lei 8.212/1991 e restabelecer a cobrança do Funrural, se substituindo às leis anteriores, consideradas inconstitucionais.

A Lei 10.256 equiparou a figura do empregador rural pessoa física à do empregador sem empregados, o que permitiu a contribuição sobre a receita bruta, em substituição ao recolhimento sobre a folha de pagamento.

O voto de Moraes disse que os incisos do artigo 25 da Lei 8.212/1991 nunca foram retirados do mundo jurídico e permaneceram perfeitamente válidos. Em seu voto, também afastou a necessidade de lei complementar para se introduzir o tributo e não viu violação ao princípio da isonomia.

Os Ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, acompanharam o voto divergente do Ministro Alexandre de Moraes.

Votaram em sentido contrário, seguindo a recomendação do relator Edson Fachin, a Ministra Rosa Weber e os Ministros Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello.

A Equipe Tributária do Diamantino Advogados permanece à disposição para maiores esclarecimentos sobre as consequências trazidas com este entendimento do STF.


Índice de notícias :: Tributário

Filial de entidade beneficente não tem imunidade tributária automática
04.12.2017

Portaria que cria atalho para cobrar dívidas é ilegal
04.12.2017

Contribuintes deverão declarar valores em espécie
22.11.2017

Receita: trabalho terceirizado gera crédito de PIS/Cofins
17.11.2017

Prazo para adesão ao Programa Especial de Regularização Tributária é prorrogado novamente
31.10.2017

Principais alterações do PERT trazidas pelo projeto de conversão em lei
16.10.2017

NOVAS OPORTUNIDADES DE ADESÃO AOS PROGRAMAS DE PARCELAMENTO DE DÉBITOS TRIBUTÁRIOS FEDERAIS (PRR E PERT)
29.09.2017

Participação - Congresso de Direito Tributário em Porto Alegre
14.09.2017

Nova oportunidade de adesão ao Programa Especial de Regularização Tributária (PERT)
31.08.2017

Governo publica Medida Provisória que renegocia os débitos do Funrural
02.08.2017


Mostrando 1 - 10 de 128
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites