Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 

Acordo viola legislação antitruste, diz advogado
Empresas

Marta Watanabe
22.05.2003

Se depender do que diz a legislação brasileira, a eventual punição pelo suposto acordo feito entre a AES e a Enron na compra da Eletropaulo vai tornar-se impraticável. Essa é a opinião dos especialistas ouvidos pelo Valor. Há quem diga, inclusive, que a prática é muito comum nas licitações brasileiras.

Para o advogado Mário Roberto Nogueira, sócio do Demarest e Almeida, o suposto acordo violaria uma previsão da lei antitruste (Lei nº 8.884/94) pela qual é proibida qualquer combinação entre participantes de concorrências públicas ou administrativas. A lei estabelece, porém, que o assunto prescreve em cinco anos. No caso, já teria expirado, já que a venda da Eletropaulo aconteceu em abril de 1998.

Para o advogado Eduardo Diamantino, o caso poderia se encaixar no artigo 90 da Lei nº 8.666/93, que regula as licitações. O dispositivo caracteriza como crime frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo das licitações. "O suposto acerto entre Enron e AES até poderia representar uma violação legal, mas é fato que no Brasil já faz parte dos usos e costumes", diz um especialista em licitações que preferiu não ser identificado. Ele se refere aos acordos feitos por concorrentes de licitações no sentido de eleger antecipadamente quem será o vencedor e a que preço.

Segundo os especialistas, é muito comum a "partilha" de licitações entre concorrentes. "Uma empresa promete a outra uma sub-contratação e a divisão futura de receitas ou até mesmo dá vez para que outro concorrente ganhe a disputa", diz a advogada Ilza Carvalho San' Anna de Almeida, do escritório Amaro, Stuber Advogados. "São acordos verbais e cumpridos à risca, já que as empresas de um determinado setor tendem a participam sempre das mesmas licitações. É quase uma condição para continuar concorrendo", afirma a advogada.

Caderno Empresas/Infra-estrutura (pág. B5)


 

Fonte: Valor Econômico - 22-05-2003 - 13:05:38
 


Índice de notícias :: Comercial

Empresa não pode fazer alteração societária após homologação em licitação
02.03.2015

Brasil mantém burocracia para negócios estrangeiros
07.07.2012

Acordo viola legislação antitruste, diz advogado
22.05.2003
Empresas



 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites